Passar para o Conteúdo Principal

CDIL - Centro de Diálogo Intercultural de Leiria

Centro de Diálogo Intercultural de Leiria: Igreja da Misericórdia e Casa dos Pintores

A diferença é uma constante dos tempos, dos espaços, das comunidades e dos indivíduos. Podemos mesmo considerar que é a diferença que garante a identidade. Por outro lado, é a aceitação da multiculturalidade por parte de todos, e a integração, por uns e outros, daquilo que sentem mais enriquecedor nos seus vizinhos ou parceiros, que pode originar a verdadeira interculturalidade.

A convivência intercultural é uma das imagens da identidade do Município de Leiria, sendo que a permuta de experiências e de saberes está no cerne do empreendedorismo marcante e do permanente desenvolvimento. É este pluralismo social que sempre existiu em Leiria, em parcerias dialogantes, que justifica um Centro de Diálogo Intercultural.
A criação do Centro de Diálogo Intercultural de Leiria exige a salvaguarda e a divulgação do património cultural, arquitetónico e urbanístico que se lhe associa. Assentou na reabilitação da Igreja da Misericórdia, que, tal como a Casa dos Pintores, se adapta a funções culturais, tornando-se em espaços de contemporaneidade.
Com este projeto pretende-se conjugar a valorização histórica e patrimonial com a fruição cultural e turística, criando um espaço de preservação e interpretação da memória das distintas comunidades que, ao longo dos séculos, povoaram e construíram a região, com destaque para a época medieval, durante a qual aqui se fizeram sentir mais fortemente as presenças muçulmana, cristã e hebraica.
O livro é o fio condutor do projeto de musealização, quer pelo seu valor simbólico como intermediário no diálogo entre distintos povos e crenças, quer pelo seu valor intrínseco, de objecto, cujo aperfeiçoamento foi levado a cabo, nomeadamente, na tipografia judaica medieval de Leiria. Aqui o livro surge como agente de união e comunicação, como o contador de uma história emocionante, a de uma Leiria intercultural e dialogante.

Centro de Diálogo Intercultural – Igreja da Misericórdia

A fundação, em 1544, da Santa Casa da Misericórdia de Leiria, conduziu à construção da Igreja da Misericórdia. Neste local, que se encontra no coração da judiaria medieval leiriense, terá existido a sinagoga da comuna judaica.
As estruturas anexas à igreja – que correspondem ao espaço ocupado atualmente pela Casa do Arco e Residencial Leiriense – funcionaram até ao início do século XIX como hospital e albergaria, concentrando em redor do templo todas as instituições de assistência (hospitais, albergarias e gafarias) anteriormente dispersas pela cidade.
Na sua configuração atual, de traça maneirista e barroca, a Igreja da Misericórdia, monumento de interesse público, corresponde a uma construção de inícios de século XVIII, promovida pelo bispo D. Álvaro Abranches de Noronha, e em que intervém o mestre-de-obras Francisco Gomes. A fachada principal, simples e sóbria, adequa-se à função assistencial da instituição.
Este edifício alberga presentemente, a par da Casa dos Pintores, o Centro de Diálogo Intercultural de Leiria.

Centro de Diálogo Intercultural – Casa dos Pintores

A Casa dos Pintores é assim designada devido à grande quantidade de artistas que retrataram a sua fachada, da qual ressalta a varanda com balaustrada em madeira. Apresenta dois sobrados, situando-se no topo de um quarteirão de reduzidas dimensões, que se encontrava integrado na judiaria medieval. Esta casa de origem medieval, situada junto ao antigo Largo dos Banhos, corresponde à junção de dois edifícios, em resultado de um processo decorrido ao longo de, pelo menos, cinco séculos.
A Casa dos Pintores, um dos raros edifícios que testemunham a arquitetura de habitação mais antiga no Centro Histórico de Leiria, terá tido funções de loja, mercearia, barbearia e taberna, ao nível do piso térreo. Ao nível dos pisos superiores seria usado para habitação e oficinas domésticas.
Como casa urbana representativa da memória histórica da cidade, acolhe atualmente, a par da Igreja da Misericórdia, o Centro de Diálogo Intercultural de Leiria.

Informação adicional:

A judiaria de Leiria

A presença judaica documentada, em Leiria, remonta a inícios do século XIII, estabelecendo-se uma comuna, fora das muralhas da vila, que foi crescendo até finais do século XV.
A judiaria de Leiria é ainda hoje percetível na malha de cariz medieval, composta por uma teia de construções que se organizava em torno da sinagoga, dos banhos e dos seus arruamentos. Ainda hoje podemos deambular por estas ruas, becos, escadarias e ruelas, imaginando o quotidiano medieval.
Aqui viveram, entre outros, mercadores, ferreiros, sapateiros, carniceiros, tabeliões, alfaiates, ourives, tintureiros, correeiros, tecelões, latoeiros, cirurgiões e físicos. Existiram lagares de vinho e azeite, escola, prisão, tabernas e adegas, fornos, alcaçarias e cavalariças.
A judiaria de Leiria apresenta singularidades que importa conhecer, quanto ao seu património histórico e artístico, valorativo da memória da nossa ancestralidade, onde sobressai Francisco Rodrigues Lobo, cristão-novo, poeta amado da cidade.

A tipografia em Leiria

A comuna judaica de Leiria, documentada a partir do século XIII, foi crescendo até ao seu apogeu no século XV. Com a chegada a Leiria, em 1492, da família dos Ortas, instala-se uma das primeiras oficinas de impressão tipográfica em Portugal. Assinale-se que, por concessão régia de 1411, em Leiria já se produzia papel, no local onde hoje funciona o Moinho do Papel.
Os judeus Samuel de Orta e os seus três filhos, com destaque para Abraão de Orta, imprimiram vários livros em Leiria, entre os quais as obras, em hebraico, Provérbios de Salomão, Os Primeiros Profetas, Caminho da Vida e Metodologia do Talmud.
Em 1496 imprime-se, em castelhano e latim, na tipografia dos Ortas, o incunábulo Almanach Perpetuum, do matemático e astrónomo Abraão Zacuto, traduzido e editado por José Vizinho, judeu e físico do rei D. João II.
O uso das tábuas astronómicas, aí publicadas, e do astrolábio aperfeiçoado foram fundamentais para as navegações atlânticas e para os descobrimentos portugueses.

Contactos:

Centro de Diálogo Intercultural de Leiria: Casa dos Pintores. Rua Acácio de Paiva, nº 2. 2400 076 Leiria

Centro de Diálogo Intercultural de Leiria: Igreja da Misericórdia. Rua Miguel Bombarda, nº 15. 2400 190 Leiria

Telefone para informações: 244 839 628

E-mail: cdil@cm-leiria.pt

Horários: 2ª a 6º feira - 9h30 às 12h30 e das 14h00 às 17h30.
Sábados, Domingos e Feriados - das 14h00 às 17h30.

Dias de Encerramento: 1 de janeiro, Dia de Páscoa e 25 de dezembro.

Entrada livre - visita gratuita aos dois espaços.

Não tem serviço de visitas guiadas

Câmara Municipal de Leiria
Largo da República, 2414-006 Leiria
T 244 839 500
E cmleiria@cm-leiria.pt

Validação
powered by Wiremaze
Compete 1 675 999